imagem_aoutravoz_jpg.jpg

Autor

Filipa Dias

António Costa recusa lugar no Governo.

 

CostaO secretário-geral do PS considerou esta segunda-feira que o presidente social-democrata procura agora inverter o ónus de ter posto um ponto final nas conversações e sustenta que as divergências não são de lugares, mas de "reorientação de política".

 

Estas posições são assumidas por António Costa numa carta de resposta à missiva que Pedro Passos Coelho lhe enviou no domingo, na qual o presidente do PSD desafiou o secretário-geral do PS a enviar uma "contraproposta objetiva" para mostrar empenho nas negociações e a dizer com clareza se pretende entrar numa coligação de Governo com sociais-democratas e centristas.

Ler mais

Notícias de Barroso n.º 517

Destaque fotográfico.

Montalegre viveu dois dias de muita granNdeB517deza espiritual: o primeiro, dia 11 de Junho, foi o Dia da Diocese que juntou gente de todo o distrito liderada pelos respetivos párocos; o segundo, dia 15 de Junho, dia do Corpo de Deus, que, além da linda procissão, foi festa para muitas famílias com a comunhão solene das crianças da catequese.

Indecências Continuadas.

Bento Monteiro, não facilita, e volta à carga com a questão da sociedade constituída em Moçambique pelo socialista de Montalegre, Fernando Rodrigues, com os elementos do PSD, Fernando Campos (Boticas) e Elói Ribeiro (Valpaços).

Câmara de Montalegre: a escandalosa falta de verdade.

Manuel Ramos fala-nos, desta vez, no fumeiro de Barroso, e põe em confronto as posições da Câmara e as da Associação que são contraditórias.

Democracia amordaçada.

O Padre Vítor considera que «É inadmissível que ainda se procure condicionar o voto dos outros ou comprá-lo com benesses ou prestimosos serviços ou até profetizando desgraças e represálias pela não submissão. Quem pratica estas coisas deve ser denunciado e que quem as sofre não tenha medo de as denunciar. É incompreensível que passados quarenta anos ainda se fale de medo em escolher e decidir de acordo com a sua consciência».

Mas há mais motivos de interesse como os vários artigos de opinião aí publicados por Barroso da Fonte e, claro está, Um Parágrafo de João Nuno Gusmão.

Uma sugestão: assine ou compre nos quiosques do Concelho de Montalegre o Notícias de Barroso. Só com o esforço de todos é que é possível manter a pluralidade de opiniões.

Notícias de Barroso n.º 516

NdeB516Ora aí está uma edição do Notícias de Barroso que deve ser adquirida num quiosque perto de si para memória futura.

Resumo da primeira página do Notícias de Barroso.

Destaque fotográfico.

A sociedade constituída em Moçambique por Fernando Rodrigues (PS/Montalegre), Fernando Campos (PSD/Boticas e Elói Ribeiro (Ex-governador Civil de Vila Real – PSD).

Fernando Rodrigues, Fernando Campos e Elói Ribeiro – Urbenacala, Moçambique.

Bento Monteiro descobre que Fernando Rodrigues, Fernando Campos e Elói Ribeiro são sócios da URBENACALA que tem por objecto efectuar grandiosos investimentos em Moçambique. Com autarcas destes que invertem as suas funções que são as de canalizar investimentos para os seus concelhos e que, afinal, só pensam em servir-se dos cargos para satisfazer interesses próprios, Barroso não pode ir adiante.

Protocolo entre Câmara e AMANGOLA foi assinado em 2013.

Barroso da Fonte, com ironia simulada, fala dum protocolo “agro-industrial” que foi amplamente publicitado pela Câmara Municipal em 2013 e agora no CP e cujos resultados ainda não apareceram.

Vilarinho de Negrões: da foto bonita à realidade cruel.

Para Manuel ramos, Vilarinho de Negrões é o espelho da triste realidade do nosso concelho. A Câmara que tanto se esmera em propagandas esquece-se que a verdade, mais tarde ou mais cedo, vem ao de cima. Vilarinho é na fotografia uma aldeia interessante mas lá dentro não tem nada que justifique a promoção que se lhe tem feito. Depois, ficamos todos mal vistos na fotografia (na da realidade).

Mas há mais motivos de interesse como os vários artigos de opinião aí publicados por Domingos Chaves, Padre Vítor Pereira e, claro está, Um Parágrafo de João Nuno Gusmão.

Uma sugestão: assine ou compre nos quiosques do Concelho de Montalegre o Notícias de Barroso. Só com o esforço de todos é que é possível manter a pluralidade de opiniões.

Notícias de Barroso n.º 503 (2)

NdeB503

 

O destaque desta edição do Noticias de Barroso vai para as plantações na serra do Larouco, uma iniciativa Espanhola mas que conta com o apoio das Câmaras Municipais de Montalegre e Boticas.

Em destaque, também, a eleição de Graça Martins como Diretora do Agrupamento de Escolas dr. Bento da Cruz e para a atribuição do nome de uma rua, na cidade do Cacém ao Barrosão José Gonçalves Caruço.

De particular interesse, dada a atualidade, o artigo de Paulo Alves relativo à situação vivida no Agrupamento de Escolas.

Como sempre, a não perder, os vários artigos de opinião aí publicados Barroso da Fonte, Carvalho de Moura, Domingos Chaves, Padre Vítor Pereira e, claro, Um parágrafo de João Nuno Gusmão.

São pois, muitos motivos para ler, reler e guardar o Jornal para memória futura.

Uma sugestão: assine ou compre nos quiosques do Concelho de Montalegre o Notícias de Barroso. Só com o esforço de todos é que é possível manter a pluralidade de opiniões.

Notícias de Barroso n.º 502 (2)

NdeB 502

 

O destaque desta edição do Noticias de Barroso vai para a Barrosã, Ana Pereira, que tem dado a volta ao Mundo a divulgar a cultura Portuguesa.

Depois, temos a interessante e atual crónica do Dr. Barroso da Fonte sobre a estrada de Montalegre a Chaves com enfase na “ponte da vergonha”.

Carvalho de Moura volta à carga com o desprezo que a Câmara Municipal de Montalegre tem para com a Educação e Manuel Ramos debruçasse sobre o mau começo do jornal Planalto Barrosão.

De particular interesse, como sempre, os vários artigos de opinião aí publicados por Domingos Chaves, Padre Vítor Pereira e, claro, Um parágrafo de João Nuno Gusmão.

São pois, muitos motivos para ler, reler e guardar o Jornal para memória futura.

Uma sugestão: assine ou compre nos quiosques do Concelho de Montalegre o Notícias de Barroso. Só com o esforço de todos é que é possível manter a pluralidade de opiniões.