topo1.jpg

Autor

João Barroso

Plágio na elaboração das Normas de Execução do Orçamento Municipal para 2016?

Na edição de 16 de fevereiro do Notícias de Barroso, Bento Monteiro, interrogasse se houve Plágio na elaboração das Normas de Execução do Orçamento Municipal para 2016.

Por sua vez, de acordo com O Povo de Barroso de 29 de fevereiro, o Presidente da Câmara Municipal de Montalegre terá assumido “por inteiro”, na Assembleia Municipal, “a história da delegação na junta do Porto”.

Recordemos o que escreveu Bento Monteiro: “as Normas de Execução do Orçamento do Município de Montalegre, relativas ao ano de 2016, parecem ser uma cópia fidedigna das Normas de Execução do Orçamento da Câmara do Porto, relativas ao ano de 2015. Posto isto, é claro que alguém copiou e, quem o fez, não parece ser digno de exercer funções públicas”.

E acrescenta: “devem ser escrupulosamente analisadas as Normas de Execução do Orçamento do Município de Montalegre, relativas ao ano de 2016, com as Normas de Execução do Orçamento do Município do Porto, relativas ao ano de 2015, do primeiro ao último artigo, exigindo a quem fez tão reles cópia os naturais pedidos de desculpa públicas e acionados todos os mecanismos legais. Ao Município de Montalegre exige-se, no mínimo, explicações sobre a delegação de competências nas Juntas de Freguesia do Porto”.

Ora, vejamos aqui, em http://www.cm-montalegre.pt/showPG.php?Id=1634 , o que consta nas Normas elaboradas pelo Município de Montalegre para 2016 e aqui, em http://www.cm-porto.pt/assets/misc/img/Ficheiros/NEO_2015.pdf , o consta das normas elaboradas pelo Município do Porto, relativas ao ano de 2015.

Assim, analisados todos os artigos de ambas as Normas – Montalegre e Porto -, do primeiro ao último artigo, e em particular os artigos 36.º das de Montalegre, com o ponto 2, do artigo 41.º das do Porto - onde conta a tal transferência para as Juntas de Freguesia do Porto - verificamos que se trata, tal como afirma Bento Monteiro, de uma “reles cópia”.

Deste modo, urge perguntar: quais vão ser as consequências deste “miserável” ato?

E quem foi o responsável? Quem protege, se é que protege, o Presidente? Já agora: a delegação nas Juntas de Freguesia do Porto mantem-se, ou vai ter de ser revogada?

Vilar de Perdizes defronta o SL Benfica

BenficaÉ mais um feito para a aldeia de Vilar de Perdizes: hoje, pelas 21 horas, no Pavilhão Multiusos de Montalegre o Grupo Desportivo de Vilar de Perdizes defronta, em futsal, o gigante SL Benfica, na primeira edição do "Troféu Padre Fontes".

Os atletas do Benfica visitaram Vilar de Perdizes, tendo tirado uma foto junto do busto do Padre Fontes. Depois, em Montalegre, conviveram com as camadas jovens do Grupo Desportivo de Vilar de Perdizes. Às 15 horas, a comitiva é recebida nos Paços do Concelho, onde irá decorrer uma sessão protocolar e, Às 21 horas, terminam o dia com um encontro no pavilhão multiusos que, garantidamente, terá lotação esgotada.

Escutas: Todos diferentes, Todos iguais.

escutasSegundo o Jornal Público António Figueiredo, na altura Presidente do Instituto dos Registos e Notariado e arguido no caso dos Vistos Gold, cujo principal arguido é o ex-ministro Miguel Macedo, terá favorecido o recém-nomeado chefe de gabinete do Secretário de Estado do Conselho de Ministros, Luís Goes Pinheiro, a conseguir um lugar de chefia no Estado.

Será caso para dizer: “todos diferentes, todos iguais”?

Saiba tudo em

https://www.publico.pt/sociedade/noticia/jurista-favorecido-por%20arguido-do%20caso-vistos-gold-nomeado-para-o-conselho-de-ministros-1720800?page=-1

Alerta de chuva e vento forte para a passagem de ano

ChuvaA Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) alertou, hoje, a população para adotar medidas preventivas devido às previsões de precipitação, vento forte e agitação marítima para o período do fim de ano.

Num aviso devido à previsão de condições meteorológicas adversas, a ANPC recomenda a adoção dos “mecanismos necessários de prevenção, monitorização e resposta adequadas” para evitar um aumento de sinistralidade rodoviária.

Ler mais

O abraço de duas jovens de 90 anos.

Estávamos no início da tarde de natal. Pouco passava das 15 horas deste 25 de dezembro de 2015.

Num café do Concelho de Montalegre, uma idosa, de 92 anos, enquanto saboreia o café que lhe foi servido assobia, baixinho, tentando, quem sabe, esquecer o peso dos anos ou dar asas à felicidade que a quadra convida.

Sem que nada o faça prever, uma outra idosa, da mesma idade, entra no café, agarrada às muletas.

Com a força que a idade permite, carregada de felicidade, trata a primeira pelo nome e acrescenta: ainda conseguimos passar este Natal! Quer alegria em te ver.

Embargadas em lágrimas - que, pude constatar, contagiaram os presentes -, deram um emocionado abraço. A custo, lá se sentaram e puseram a conversa em dia.

Com a “juventude” que a proveta idade indica, estas duas amigas foram, em pleno século XXI, separadas.

Resistiram à fome, à miséria, à guerra. Lutaram e venceram. Mas a sociedade virou-lhes as costas. Sem apoio, a segunda idosa foi desterrada para um dos poucos lares ou casas de acolhimento (não procurei confirmar) existentes no Concelho, mas longe da sua aldeia natal. Infelizmente teve, depois de noventa anos de intensa luta, de sair da aldeia que a viu nascer e crescer e rumar a novas paragens, com todo o drama que isso acarreta.

Fica a emoção e a felicidade do reencontro “destas duas crianças” que, felizmente, pude testemunhar.

Faço votos que para o ano se possam voltar a encontrar e dar asas à felicidade do reencontro.