imagem_aoutravoz_jpg.jpg

O Campo de Tiro é um "tiro no pé" da Câmara.

Categoria: Opinioes
Publicado em terça, 18 julho 2017, 23:40

Era um fim-de-semana de muito sol, quando eu passava na Senhora das Neves entre Montalegre e Padornelos. Quis parar e visitar a ermida. Entrando através de um portão, deparo-me com um amplo espaço murado que tinha na sua parte central uma bela capela e ao lado um edifício civil, provavelmente da mesma época. Ainda que lhe faltasse o sino na torre sineira que encima o frontispício, não deixa de ser uma ermida muito bonita. Aparenta ser dos finais do séc. XVII, ou até anterior. Encostado a uma parede, jaz um sarcófago com vestígios de antropomorfismo. Aparenta ser do séc. IX, ou até anterior, quando existia naquele lugar uma necrópole.

ACTA DA 3.ª REUNIÃO DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL.

Categoria: Opinioes
Publicado em sexta, 07 julho 2017, 17:37

PERÍODO ANTES DA ORDEM DO DIA

(30 DE JUNHO DE 2017)

Realizou-se no passado dia 30 de junho, às 9h, no Salão Nobre da Câmara Municipal de Montalegre, a terceira reunião ordinária da Assembleia Municipal, presidida pelo presidente da assembleia, Dr. Fernando Rodrigues, tendo a seu lado, na mesa da reunião, os restantes membros: secretários e Presidente da Câmara, Prof. Orlando Alves.

Feita a chamada e de novo feita, passou-se para a aprovação da ata da reunião da 2.ª sessão. Foi aprovada com algumas abstenções por ausência.

Chegou o Período antes da Ordem do Dia que é o único que aqui importa. De facto, estando a Assembleia Municipal esvaziada de poderes e sendo tudo tão previsível e no habitual sucessivamente repetido de ano para ano, o período antes da ordem do dia é aquele que mais debate, picardia e criatividade costuma suscitar, além de ser o único em que a oposição pode gerir uma “agenda” pessoal.

BRUSCAMENTE NO VERÃO QUE CORRE.

Categoria: Opinioes
Publicado em sexta, 07 julho 2017, 16:41

Creio bem que o leitor consegue imaginar a dor psicológica dos deputados da nossa Direita – PSD e CDS/PP –, porventura mesmo choque psicológico, ao terem ontem escutado do Chefe do Estado-Maior do Exército o reconhecimento de que não existiu qualquer responsabilidade política no caso de Tancos, antes tudo o resto que ali expôs com verdade e grande manifestação dos melhores princípios ético-militares. Tenho aqui que recpnhecer o meu erro, porque não acreditava num tal perfil de tão elevada honra militar. Ou seja, todos erramos e todos os dias.

Urbenacala, Limitada: a sociedade em Moçambique.

Categoria: Opinioes
Publicado em quinta, 29 junho 2017, 21:03

Nacala1Os nervos estão à flor da pele: os comentários no facebook são "às centenas". O mau estar está instalado. Na sequência das notícias saídas no Notícias de Barroso, relativa à constituição de uma sociedade em Moçambique por Fernando Rodrigues (PS), Fernando Campos (PSD) e Elói Ribeiro 

Nacala2(PSD), o jornal Público adiantou mais pormenores, nomeadamente o facto de “Albano Alvares (ex-vice-presidente da Câmara de Boticas no tempo de Fernando Campos) [ser] sócio de uma empresa chamada Trufos Celtas”, empresa esta que “tem ainda como sócios as empresas NaturBarroso e Xenobert-Turismo, Lda” sendo que “a empresa NaturBarroso seja detida em 50% pela mãe de David Teixeira [vice-presidente da câmara de Montalegre]”. Acrescenta o jornal Público "que existe um cenário promíscuo evidenciado pelo PSD Boticas e pelo PS Montalegre".

Ora, como facilmente se percebe, não estará em discussão, nem nunca terá estado, o direito de um cidadão constituir, com quem bem lhe apetecer, uma sociedade. O que aqui está em discussão é, apenas e só, do foro político. Ou seja, o facto de dois ex-presidentes de câmara e atuais presidentes das respetivas Assembleias Municipais, um do PS e outro do PSD, que deviam ser os primeiros a tentar captar investimento para os seus concelhos, terem ido investir a Moçambique. Não menos importante, é o facto do ex-presidente da Câmara de Montalegre, em 2012, ter oferecido, dos cofres do município, 100 000 euros para a construção de uma escola, precisamente no local onde, pouco mais de quatro meses depois de ter deixado a presidência da câmara, instalou a sede da referida empresa.

Acresce a tudo que, tanto quanto é do conhecimento público, estes dois cidadãos [Fernando Rodrigues e Fernando Campos], não fizeram qualquer investimento nas suas terras.

Para poder ler o Boletim da República de Moçambique, onde está publicada a constituição da empresa, basta fazer duplo clique na parte sublinhada do 1.º parágrafo.

Notícias de Barroso n.º 517

Categoria: Opinioes
Publicado em segunda, 26 junho 2017, 23:34

Destaque fotográfico.

Montalegre viveu dois dias de muita granNdeB517deza espiritual: o primeiro, dia 11 de Junho, foi o Dia da Diocese que juntou gente de todo o distrito liderada pelos respetivos párocos; o segundo, dia 15 de Junho, dia do Corpo de Deus, que, além da linda procissão, foi festa para muitas famílias com a comunhão solene das crianças da catequese.

Indecências Continuadas.

Bento Monteiro, não facilita, e volta à carga com a questão da sociedade constituída em Moçambique pelo socialista de Montalegre, Fernando Rodrigues, com os elementos do PSD, Fernando Campos (Boticas) e Elói Ribeiro (Valpaços).

Câmara de Montalegre: a escandalosa falta de verdade.

Manuel Ramos fala-nos, desta vez, no fumeiro de Barroso, e põe em confronto as posições da Câmara e as da Associação que são contraditórias.

Democracia amordaçada.

O Padre Vítor considera que «É inadmissível que ainda se procure condicionar o voto dos outros ou comprá-lo com benesses ou prestimosos serviços ou até profetizando desgraças e represálias pela não submissão. Quem pratica estas coisas deve ser denunciado e que quem as sofre não tenha medo de as denunciar. É incompreensível que passados quarenta anos ainda se fale de medo em escolher e decidir de acordo com a sua consciência».

Mas há mais motivos de interesse como os vários artigos de opinião aí publicados por Barroso da Fonte e, claro está, Um Parágrafo de João Nuno Gusmão.

Uma sugestão: assine ou compre nos quiosques do Concelho de Montalegre o Notícias de Barroso. Só com o esforço de todos é que é possível manter a pluralidade de opiniões.

Os Portugueses conseguem.

Categoria: Opinioes
Publicado em segunda, 26 junho 2017, 12:57

Os portugueses, na sua enorme maioria, viveram com espanto e com dor a recente tragédia que se abateu sobre tantos dos seus em Pedrógão Grande, Castanheira de Pera, Figueiró dos Vinhos, Góis, etc.. Uma tragédia cujo saldo final foi algo de cabalmente inusual, atingindo tantas famílias e concidadãos, e mesmo o suporte da sobrevivência coletiva de muitos daqueles concelhos.

Esta realidade conduz-nos ao que se passou na Europa e em diversos outros lugares do mundo, no final da Segunda Guerra Mundial: sem o apoio externo das nações não atingidas, concedido em condições excecionais, os países destruídos só com muitos décadas ou séculos conseguiriam regressar à senda do desenvolvimento. E é algo de semelhante que tem de dar-se com os portugueses, sejam os que residem no território português, sejam os que se situam na grande diáspora lusitana. Até mesmo com os novos Estados que hoje falam a língua portuguesa.

CMM: escandalosa falta de verdade.

Categoria: Opinioes
Publicado em quarta, 21 junho 2017, 20:41

Não é a melhor altura para falar de fumeiro. Com o calor que está, tão fastidioso é para mim escrever acerca de fumeiro, sobretudo de fumeiro mal produzido, como para o leitor ler o que escrevo. Eu sei que este artigo ou já deveria ter sido escrito, ou deveria esperar por tempo mais fresco, lá para o final do ano. No entanto, as coisas proporcionaram-se assim.

Também quero dizer que não sou contra a feira do fumeiro ou os produtores de fumeiro. Bem pelo contrário, sou entusiasta e acho que, em aldeias de montanha, haverá poucas atividades complementares a uma profissão ou complementares a outra(s) atividade(s) económica(s) que sejam melhores. Estou antes contra certas exigências da Associação de Fumeiro e a costumada propaganda ou falta de verdade da Câmara, como a seguir se prova.