imagem_aoutravoz_jpg.jpg

Madeira sem Jardim

Categoria: País Publicado em segunda, 30 março 2015, 20:41

Conforme se esperava, Miguel Albuquerque ganhou as eleições na Madeira e o PSD regional obteve nova maioria absoluta. A dúvida que existia era se o fim do jardinismo traria mudanças mais profundas ao perfil eleitoral da região autónoma, traçado há 40 anos. Em termos genéricos, com mais voto menos voto, no que ao poder diz respeito, tudo ficou na mesma. Miguel Albuquerque ficou abaixo do pior resultado de sempre de Alberto João Jardim, mas cumpriu o objetivo a que se tinha proposto e atingiu a fasquia que o seu antecessor lhe tinha imposto. Ao contrário, o PS é o grande derrotado desta jornada eleitoral. Incapazes, desde o 25 de Abril de 1974, de derrotar o PSD na Madeira, os socialistas decidiram avançar para estas eleições à frente de uma coligação com mais três partidos. O resultado foi desastroso. Na comparação com o que se passou há quatro anos, em que a soma das forças políticas que compunham esta aliança ultrapassou os 20%, esta coligação subtraiu em vez de somar. E nem a passagem fugaz de António Costa pela campanha madeirense serviu para entusiasmar o eleitorado. Ficou mais uma vez demonstrado que a Madeira é, no plano político, um ecossistema muito particular. A maioria da população é empregada do governo regional e, por isso, receia a mudança por pensar que com ela virá o desemprego. Mas este facto, que não é de somenos, não pode servir de desculpa ao PS. A verdade é que, em 40 anos, os socialistas nunca conseguiram passar da mediocridade eleitoral. E nem sequer se pode dizer que a crise não chegou à Madeira, porque chegou. O PSD ganha estas eleições de forma clara apesar do governo de Passos Coelho e do resgate que a Madeira sofreu sob a tutela de Jardim. Nada disto o PS soube capitalizar. Pelo que, em síntese, seja lícito fazer a seguinte leitura nacional: Pedro Passos Coelho e Paulo Portas - o CDS continua a ser a segunda força política na região - são os grandes vencedores da noite; António Costa, na primeira eleição que o PS disputa sob a sua liderança, é o maior derrotado.

Nuno Saraiva